Campanha da Fraternidade é lançada oficialmente em Pindamonhangaba em Solenidade na Câmara de Vereadores

por Luiz Carlos Pinto publicado 09/03/2017 18h08, última modificação 09/03/2017 18h08
Com o objetivo geral de cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho, a Campanha da Fraternidade 2017 foi lançada com o tema: “Fraternidade: Biomas brasileiros e Defesa da Vida” e o lema: Cultivar e guardar a criação
Campanha da Fraternidade é lançada oficialmente em Pindamonhangaba em Solenidade na Câmara de Vereadores

Campanha da Fraternidade 2017 é solenemente aberta em Pindamonhangaba

Em Sessão Solene realizada nesta quarta-feira, dia 8 de março, às 19 horas no Plenário Francisco Romano de Oliveira da Câmara de Vereadores, foi oficialmente aberta a Campanha da Fraternidade 2017 em Pindamonhangaba.

A Sessão presidida pelo Secretário da Mesa, Roderley Miotto (PSDB) contou com a presença dos vereadores Rafael Goffi (PSDB) Jorge da Farmácia (PR) e Ronaldo Pipas (PR). A Mesa dos trabalhos foi composta pelo subprefeito de Moreira César, Nilson Luiz de Paula Santos, no ato representando o prefeito Dr. Isael Domingues; o 2º Tenente André Cobianchi Caetano Amorim da Silva, representando o Comandante do Batalhão Borba Gato, Tenente Coronel Luiz Cláudio Brion Cardoso; Padre Luiz Carlos de Souza, da Paróquia Nossa Senhora do Bom Sucesso; Padre Cipriano Alexandre de Oliveira, da Paróquia São Miguel Arcanjo, do Araretama; Padre Francisco Carlos Euzébio – Padre Chiquinho, da Paróquia Nossa Senhora de Fátima; Padre Vitor Hugo, vigário Forâneo da Paróquia Nossa Senhora do Bom Sucesso e o orador oficial, Padre Leandro Alves de Souza, Assessor da Campanha da Fraternidade da Diocese de Taubaté.


Segundo os ensinamentos cristãos, a quaresma nos encaminha para a Páscoa, motivados pela Palavra e unidos aos sentimentos de Cristo, cultivando a oração, o amor a Deus e a solidariedade fraterna.

De acordo com a apresentação da Campanha da Fraternidade, “a conversão quaresmal é, voltar-se para Deus, para o próximo e para a vida da criação que nos cerca. Este é o período forte da Campanha da Fraternidade, é iniciação à fé e à sua prática, contribuindo para vivenciar a espiritualidade pascal capaz de gerar conversão pessoal, comunitária e social”.

A Campanha da Fraternidade 2017 tem como lema: “Cultivar e guardar a criação” (Gn 2,15), e como tema: “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida”.

A Igreja tem sido uma voz profética, chamando a atenção para os desafios e problemas ecológicos, apontando suas causas e os caminhos para sua superação. Muitas iniciativas a aproximaram do nosso povo para defender seus direitos e promover a convivência harmônica com o meio ambiente em todo o Brasil”, diz o texto da Campanha da Fraternidade.

Desde 1979, a Igreja tem abordado temáticas socioambientais. A Campanha da Fraternidade deste ano de 2017 está coligada com algumas destas campanhas, como as de: 1979 – Por um mundo mais humano – Preserve o que é de todos; 1986 – Fraternidade e a terra – Terra de Deus, terra de irmãos; 2004 – Fraternidade e a água – Água, fonte de vida; entre outros.


Em sua palestra, o padre Leandro Alves de Souza, apresentou as principais propostas da igreja e ao mesmo tempo propôs ao Poder Público que contemple nas suas políticas públicas, uma atenção voltada para o nosso meio ambiente. Ele diz que “este é um tema pertinente na nossa atualidade brasileira, pois os nossos biomas não estão sendo respeitados. E quando um bioma não é respeitado, automaticamente a vida humana é desrespeitada, pois nós somos afetados diretamente com as agressões à nossa natureza, a questão do meio ambiente”.

Segundo o religioso, os objetivos específicos desta campanha são: aprofundar o conhecimento de cada bioma, de suas belezas, de seus significados e a importância para a vida no planeta, particularmente para o povo brasileiro; conhecer melhor e nos comprometer com as populações originárias, reconhecer seus direitos, sua atribuição ao povo brasileiro, respeitando sua história, suas culturas, seus territórios e seu modo específico de viver; reforçar o compromisso com a biodiversidade, os solos, as águas, nossas paisagens e o clima variado e rico que abrange o chamado território brasileiro; compreender o impacto das grandes concentrações populacionais sobre o bioma em que se insere; manter a articulação com outras igrejas, organizações da sociedade civil, centros de pesquisa e todas as pessoas de boa vontade que querem a preservação das riquezas naturais e o bem-estar do povo brasileiro; comprometer as autoridades públicas para assumir a responsabilidade sobre o meio ambiente e a defesa desses povos; contribuir para a construção de um novo paradigma econômico-ecológico que atenda às necessidades de todas as pessoas e famílias, respeitando a natureza e compreender o desafio da conversão ecológica a que nos chama o Papa Francisco na carta encíclica Laudato Si’ e sua relação com o espírito quaresmal. “Portanto, a Campanha da Fraternidade deste ano ao contemplar os biomas brasileiros, também está falando da defesa da vida, do meio ambiente. Que ela nos provoque a repensarmos o nosso estilo de vida, de modo que possamos fomentar entre nós a importância da conscientização no que diz respeito a nossa sustentabilidade e termos um meio ambiente melhor, que nos ajude em nossa sobrevivência humana e de tantas outras espécies com as quais vivemos”, conclui o Padre Leandro.

A solenidade teve a participação da equipe da Campanha da Fraternidade de Pindamonhangaba, da Paróquia Nossa Senhora das Graças, coordenado pelo casal Rafael e Maria Aparecida e apresentação musical do casal Antônio e Paula, que cantaram o Hino da Campanha da Fraternidade, Oração pela Família e Invocação do Espírito Santo.


Finalizando, o vereador Roderley Miotto, em nome do Legislativo, disse que “Se nós não cuidarmos do ecossistema e da biodiversidade, se não cuidarmos com muita seriedade, nós corremos seriamente o risco de estarmos destruindo por completo toda essa criação extraordinária de Deus. Então, mais uma vez a igreja vem despertar esse povo e dizer, olha, não dá mais somente para rezar, é fundamental que ela, a oração, é que nos move, mas é preciso fazer alguma coisa pela nossa população, pelo nosso meio ambiente. Tenho certeza que nós lutaremos para fazer o melhor pelo nosso meio ambiente”, conclui.